Notícias

Romaria Diocesana de Catequese

Publicado em 06/09/2013 às 14h13

Aconteceu em Lençóis, na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, a tão esperada Romaria dos catequistas da Diocese de Irecê, em comemoração ao dia do catequista.

Contamos com a presença de cerca de 450 catequistas, foram momentos de muitas graças, na partilha do alimento, na oração e entrosamento entre as diversas paróquias. Estiveram conosco os Padres: Gercival Vieira (Lençois), Valeriano (São Gabriel), Pedro  (Palmeiras), Fransuilson (Iraquara) e Vagne (Reitor do Seminário Maior de Feira de Santana). Os seminaristas: Flávio Porto, Domingos e Ronaldo. As religiosas: Deiviana (Seabra), Diomar e  Mercedes (João Dourado), Laíz e Adriana (São Pedro Apóstolo- Irecê).

Obrigada meu Senhor e meu Deus por todas as bênçãos derramadas sobre nós.

Neilza - Assessora da Catequese na Diocese de Irecê.

Comentários (1)

Ordenação Sacerdotal

Publicado em 19/07/2013 às 10h29

A Diocese de Irecê está muito feliz por ordenar mais um Sacerdote, o Pe. Marcelo Nunes da Gama. A celebração aconteceu na Praça da Igreja Matriz, Paróquia de São Gabriel Arcanjo na cidade de São Gabriel, presidida pelo Bispo Diocesano D. Tommaso Cascianelli e concelebrada por 25 padres, sendo 19 da Diocese de Irecê e os demais das dioceses de Rui Barbosa, Camaçari e da Arquidiocese de Feira de Santana.  Contou ainda, com as presenças dos seminaristas da Diocese - Propedêutico de Irecê e Seminários Maior Emaús de Feira de Santana e das Dioceses de Rui Barbosa e Camaçari e aproximadamente 3.000 fiéis de todos os cantos e recantos das mesmas dioceses. Na homilia Dom Tommaso ressaltou a beleza do amor com que os padres se dedicam à sua missão. Após os agradecimentos e benção final todos foram convidados para um coquetel e em seguida retornaram às suas cidades.

A Paróquia São Gabriel Arcanjo se esmerou na organização desta grande festa, cabendo os parabéns a todos os paroquianos que direta ou indiretamente contribuíram para a ocorrência deste momento de graça e parabéns Padre Marcelo e a Diocese de Irecê.

Janilde Barbosa

Pascom – São José Operário - Irecê

Comentários (4)

Mensagem da 36ª Romaria da Terra e das Águas ao Bom Jesus da La

Publicado em 12/07/2013 às 10h18

De 5 a 7 de julho realizou-se a 36ª Romaria da Terra e das Águas ao Bom Jesus da Lapa. A romaria se realiza ininterruptamente há 36 anos, no início de julho. Ela foi iniciada pela CPT Bahia, e atualmente incorpora várias dioceses do interior da Bahia, sobretudo do Centro Oeste, por organizações e movimentos sociais e conta com a presença anual  de uma média de 5 a 10 mil pessoas.

A seguir publicamos a Mensagem da Romaria.

Eis o texto.

Uma fé transformadora

Mensagem da 36ª Romaria da Terra e das Águas ao Bom Jesus da Lapa
5 a 7 de Julho de 2013


Saudações cordiais e solidárias dos 8 mil romeiros e romeiras, da 36ª Romaria da terra e das águas!

Esta Romaria, na beira do rio São Francisco, santuário da natureza, nos encontrou unidos e motivados pelo que acabamos de vivenciar nas ruas e praças do Brasil. Queremos  propagar a que um país  melhor, que  na cidade e no campo, todos queremos só será possível  se sua terra, suas águas e sua rica natureza estiverem, a serviço da vida de todos os seus filhos e filhas.

Através desta mensagem queremos denunciar  e  partilhar  aspectos que ecoaram nesta romaria feita prece e indagação, contemplação e compromisso nos vários momentos de sua programação.

Numa só voz,  todos concordamos que urgentemente deve ser revolucionada uma realidade em que a apropriação particular da Terra  -  que declarou encerrada a Reforma Agrária -  a  Água, o Vento e o Sol  não podem mais ser vistos como objeto de lucro selvagem e absoluto de grupos privados.

Uma multidão, voluntariamente deixada na sombra, ainda nos exige para sermos solidários ao seu lado: Os povos indígenas da Bahia e do Brasil, Os Quilombolas, o morador de Fundo e Fecho de pasto, os pequenos agricultores e criadores... estão sendo extinguidos pela atual modelo do Estado e pela prática do Judiciário. Com as honrosas e raras exceções.

Outra grande categoria de povos tradicionais, os pescadores artesanais do Brasil, nos faz um apelo. Já que estão sendo  expulsos, para dar lugar aos projetos do capital estrangeiro e nacional  (latifúndio das águas depois do latifúndio da terra, do vento e do sol) eles nos convocam para fazer valer seus direitos na Constituição sobre seus territórios pesqueiros.

Com os jovens que se projetam como protagonistas em todo o pais, pastorais da juventude reunidas conosco apesar de reconhecerem avanços como a difusão das cotas e da ampliação de vagas no Ensino superior, ainda precisamos reconhecer que se encontram sujeitos a várias mazelas:

- a migração forçada e o trabalho escravo que só no estado da Bahia já mais de 3.000 trabalhadores(as);

- a precariedade persistente do ensino fundamental e médio, que diminui as condições para o ingresso nos cursos superiores;

- a difusão do consumo de drogas alucinógenas por jovens e adolescentes.
    
Interligados com as multidões e periferias do Brasil, a Romaria nos encorajou a continuar a construir esperanças. Para os nossas crianças, que vimos alegremente reunidas pela primeira vez em plenarinho e para nossos jovens, derrubando novas e antigas amarras e solidarizando-nos na prática da justiça. 
 
Ecoou como um sinal de esperança em nossa Romaria, a noticia que nos trouxeram os companheiros e companheiras de Cocos, Oeste da BA. Mais de 2000 pessoas, em véspera desta romaria, mobilizadas em audiência pública, impediram a construção, já decretada, de uma barragem fatal à vida do rio Carinhanha e do seu povo.

Não paira dúvidas de que o que acontece na nossa Romaria há 36 anos e o que está acontecendo, de maneira diferenciada, nos diversos recantos do país, é um processo de construção de outra civilização. Aqui ensaiamos a verdadeira espiritualidade que o Bom Jesus da Lapa e do Evangelho nos convoca a seguir. É a fé que se transforma em compaixão solidária com todos caídos à beira do caminho, convivência amorosa com todos os seres e anima nossa  indignação profética frente a todos os ídolos da mentira e da morte. Com esta fé, sintam-se todos abraçados.

Os participantes da 36ª Romaria da Terra e das Águas.

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/521785-uma-fe-transformadora-mensagem-da-36o-romaria-da-terra-e-das-aguas-ao-bom-jesus-da-lapa

Comentários (2)

Ordenação Sacerdotal de Marcelo

Publicado em 04/07/2013 às 10h33

Comentários (1)

ASSEMBLÉIA DIOCESANA DA PASTORAL DA CRIANÇA 1º SEMESTRE DE 2013

Publicado em 17/06/2013 às 11h58

Nos dias 15 a 17 de junho de 2013, no CDE - Irecê (Centro Diocesano Emaús), os coordenadores da Pastoral da Criança de paróquias e Foranias, estiveram reunidos para a Assembleia do 1º semestre com o objetivo de avaliar como foi a caminhada nesse primeiro semestre, e organizando as atividades para o segundo semestre.

Teve inicio ás 19:30hs da sexta-feira com um momento  profundo de oração realizado pela Irmã Adriana CST (Irecê). No sábado começamos com a Santa Missa presidida pelo Padre Valeriano, depois seguimos ouvindo as sínteses dos encontros que foram realizados por cada forania, seguindo do estudo dos relatórios por Lurdinha (Mulungu do Morro).

À tarde retornamos com as oficinas de Brinquedos e Brincadeiras com Maria de Fátima e Missão e Gestão com Carla e Ângela. A noite foi muita diversão com forró, fogueira em pé, quebra pote (com Jacques e o Padre Valeriano) e muita animação.

No domingo tivemos um momento forte de análise da realidade das mineradoras na Diocese, os impactos que as mesmas causam que foi muito bem explanado por Jacques. Depois encerramos com a Missa presidida pelo Padre Luís Martins nosso orientador espiritual.

Tivemos a visita de: Padre Francisco – (Paróquia São José Operário), Padre Pedro – (Palmeiras) e Bruno – (Representando a Coordenação Nacional).

Foi uma Assembleia que muito incentivou os coordenadores a motivar suas comunidades estando atentos a realidade em que estamos inseridos.

A Diana Francelina (Coordenadora Diocesana) parabéns pela organização da assembleia, e por tanta dedicação motivando cada coordenador. 

E que Deus continue dando muita força para cada um que faz a Pastoral da Criança acontecer.

Edineide dos Santos

Comentários (0)

Formação Litúrgica - Paróquia São José Operário - Irecê

Publicado em 27/05/2013 às 09h16

A Paróquia São José Operário realizou neste domingo (26/05/2013) o segundo encontro de formação litúrgica organizado pela Pastoral da Comunicação Paroquial. Janilde (Coordenadora) teve o cuidado de não esquecer nenhuma comunidade e estiveram presentes 70 pessoas. O tema foi “Tempo Litúrgico e a Missa Parte por Parte”. O assessor Profº Elizeu Julindo, fazendo uma ponte com o primeiro encontro que abordou o tema “Comunicação na Liturgia”, explanou de forma interativa e descontraída, analisando cada tempo litúrgico, demonstrando sua beleza na liturgia de cada celebração. O sentido das cores, do canto, da alegria ou do recolhimento (silêncio) expresso em cada tempo litúrgico. A missa, como grande momento celebrativo da comunidade eclesial, precisa ser preparada, observando todos os detalhes, desde a vestimenta até o altar onde é oferecido o sacrifício de Jesus, propiciando verdadeiramente o encontro pessoal com Ele.

Parabéns a todos por mais este passo de fé e conhecimento da palavra de Deus e da ação da Igreja com o propósito de fazer crescer o Reino de Deus.

 

Maria Clarete da Silva

Pascom - São José Operário - Irecê

Comentários (0)

DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS

Publicado em 10/05/2013 às 10h37

MENSAGEM DO PAPA BENTO XVI
PARA O 47º DIA MUNDIAL
DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS

«Redes sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização»

[12 de Maio de 2013] 

 

 

Amados irmãos e irmãs,

Encontrando-se próximo o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2013, desejo oferecer-vos algumas reflexões sobre uma realidade cada vez mais importante que diz respeito à maneira como as pessoas comunicam actualmente entre si; concretamente quero deter-me a considerar o desenvolvimento das redes sociais digitais que estão a contribuir para a aparição duma nova ágora, duma praça pública e aberta onde as pessoas partilham ideias, informações, opiniões e podem ainda ganhar vida novas relações e formas de comunidade.

Estes espaços, quando bem e equilibradamente valorizados, contribuem para favorecer formas de diálogo e debate que, se realizadas com respeito e cuidado pela privacidade, com responsabilidade e empenho pela verdade, podem reforçar os laços de unidade entre as pessoas e promover eficazmente a harmonia da família humana. A troca de informações pode transformar-se numa verdadeira comunicação, os contactos podem amadurecer em amizade, as conexões podem facilitar a comunhão. Se as redes sociais são chamadas a concretizar este grande potencial, as pessoas que nelas participam devem esforçar-se por serem autênticas, porque nestes espaços não se partilham apenas ideias e informações, mas em última instância a pessoa comunica-se a si mesma.

O desenvolvimento das redes sociais requer dedicação: as pessoas envolvem-se nelas para construir relações e encontrar amizade, buscar respostas para as suas questões, divertir-se, mas também para ser estimuladas intelectualmente e partilhar competências e conhecimentos. Assim as redes sociais tornam-se cada vez mais parte do próprio tecido da sociedade enquanto unem as pessoas na base destas necessidades fundamentais. Por isso, as redes sociais são alimentadas por aspirações radicadas no coração do homem.

A cultura das redes sociais e as mudanças nas formas e estilos da comunicação colocam sérios desafios àqueles que querem falar de verdades e valores. Muitas vezes, como acontece também com outros meios de comunicação social, o significado e a eficácia das diferentes formas de expressão parecem determinados mais pela sua popularidade do que pela sua importância intrínseca e validade. E frequentemente a popularidade está mais ligada com a celebridade ou com estratégias de persuasão do que com a lógica da argumentação. Às vezes, a voz discreta da razão pode ser abafada pelo rumor de excessivas informações, e não consegue atrair a atenção que, ao contrário, é dada a quantos se expressam de forma mais persuasiva. Por conseguinte os meios de comunicação social precisam do compromisso de todos aqueles que estão cientes do valor do diálogo, do debate fundamentado, da argumentação lógica; precisam de pessoas que procurem cultivar formas de discurso e expressão que façam apelo às aspirações mais nobres de quem está envolvido no processo de comunicação. Tal diálogo e debate podem florescer e crescer mesmo quando se conversa e toma a sério aqueles que têm ideias diferentes das nossas. «Constatada a diversidade cultural, é preciso fazer com que as pessoas não só aceitem a existência da cultura do outro, mas aspirem também a receber um enriquecimento da mesma e a dar-lhe aquilo que se possui de bem, de verdade e de beleza» (Discurso no Encontro com o mundo da cultura, Belém, Lisboa, 12 de Maio de 2010).

O desafio, que as redes sociais têm de enfrentar, é o de serem verdadeiramente abrangentes: então beneficiarão da plena participação dos fiéis que desejam partilhar a Mensagem de Jesus e os valores da dignidade humana que a sua doutrina promove. Na realidade, os fiéis dão-se conta cada vez mais de que, se a Boa Nova não for dada a conhecer também no ambiente digital, poderá ficar fora do alcance da experiência de muitos que consideram importante este espaço existencial. O ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade quotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens. As redes sociais são o fruto da interacção humana, mas, por sua vez, dão formas novas às dinâmicas da comunicação que cria relações: por isso uma solícita compreensão por este ambiente é o pré-requisito para uma presença significativa dentro do mesmo.

A capacidade de utilizar as novas linguagens requer-se não tanto para estar em sintonia com os tempos, como sobretudo para permitir que a riqueza infinita do Evangelho encontre formas de expressão que sejam capazes de alcançar a mente e o coração de todos. No ambiente digital, a palavra escrita aparece muitas vezes acompanhada por imagens e sons. Uma comunicação eficaz, como as parábolas de Jesus, necessita do envolvimento da imaginação e da sensibilidade afectiva daqueles que queremos convidar para um encontro com o mistério do amor de Deus. Aliás sabemos que a tradição cristã sempre foi rica de sinais e símbolos: penso, por exemplo, na cruz, nos ícones, nas imagens da Virgem Maria, no presépio, nos vitrais e nos quadros das igrejas. Uma parte consistente do património artístico da humanidade foi realizado por artistas e músicos que procuraram exprimir as verdades da fé.

A autenticidade dos fiéis, nas redes sociais, é posta em evidência pela partilha da fonte profunda da sua esperança e da sua alegria: a fé em Deus, rico de misericórdia e amor, revelado em Jesus Cristo. Tal partilha consiste não apenas na expressão de fé explícita, mas também no testemunho, isto é, no modo como se comunicam «escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele» (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2011). Um modo particularmente significativo de dar testemunho é a vontade de se doar a si mesmo aos outros através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana. A aparição nas redes sociais do diálogo acerca da fé e do acreditar confirma a importância e a relevância da religião no debate público e social.

Para aqueles que acolheram de coração aberto o dom da fé, a resposta mais radical às questões do homem sobre o amor, a verdade e o sentido da vida – questões estas que não estão de modo algum ausentes das redes sociais – encontra-se na pessoa de Jesus Cristo. É natural que a pessoa que possui a fé deseje, com respeito e tacto, partilhá-la com aqueles que encontra no ambiente digital. Entretanto, se a nossa partilha do Evangelho é capaz de dar bons frutos, fá-lo em última análise pela força que a própria Palavra de Deus tem de tocar os corações, e não tanto por qualquer esforço nosso. A confiança no poder da acção de Deus deve ser sempre superior a toda e qualquer segurança que possamos colocar na utilização dos recursos humanos. Mesmo no ambiente digital, onde é fácil que se ergam vozes de tons demasiado acesos e conflituosos e onde, por vezes, há o risco de que o sensacionalismo prevaleça, somos chamados a um cuidadoso discernimento. A propósito, recordemo-nos de que Elias reconheceu a voz de Deus não no vento impetuoso e forte, nem no tremor de terra ou no fogo, mas no «murmúrio de uma brisa suave» (1 Rs 19, 11-12). Devemos confiar no facto de que os anseios fundamentais que a pessoa humana tem de amar e ser amada, de encontrar um significado e verdade que o próprio Deus colocou no coração do ser humano, permanecem também nos homens e mulheres do nosso tempo abertos, sempre e em todo o caso, para aquilo que o Beato Cardeal Newman chamava a «luz gentil» da fé.

As redes sociais, para além de instrumento de evangelização, podem ser um factor de desenvolvimento humano. Por exemplo, em alguns contextos geográficos e culturais onde os cristãos se sentem isolados, as redes sociais podem reforçar o sentido da sua unidade efectiva com a comunidade universal dos fiéis. As redes facilitam a partilha dos recursos espirituais e litúrgicos, tornando as pessoas capazes de rezar com um revigorado sentido de proximidade àqueles que professam a sua fé. O envolvimento autêntico e interactivo com as questões e as dúvidas daqueles que estão longe da fé, deve-nos fazer sentir a necessidade de alimentar, através da oração e da reflexão, a nossa fé na presença de Deus e também a nossa caridade operante: «Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine» (1 Cor 13, 1).

No ambiente digital, existem redes sociais que oferecem ao homem actual oportunidades de oração, meditação ou partilha da Palavra de Deus. Mas estas redes podem também abrir as portas a outras dimensões da fé. Na realidade, muitas pessoas estão a descobrir – graças precisamente a um contacto inicial feito on line – a importância do encontro directo, de experiências de comunidade ou mesmo de peregrinação, que são elementos sempre importantes no caminho da fé. Procurando tornar o Evangelho presente no ambiente digital, podemos convidar as pessoas a viverem encontros de oração ou celebrações litúrgicas em lugares concretos como igrejas ou capelas. Não deveria haver falta de coerência ou unidade entre a expressão da nossa fé e o nosso testemunho do Evangelho na realidade onde somos chamados a viver, seja ela física ou digital. Sempre e de qualquer modo que nos encontremos com os outros, somos chamados a dar a conhecer o amor de Deus até aos confins da terra.

Enquanto de coração vos abençoo a todos, peço ao Espírito de Deus que sempre vos acompanhe e ilumine para poderdes ser verdadeiramente arautos e testemunhas do Evangelho. «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15).

Vaticano, 24 de Janeiro – Festa de São Francisco de Sales – do ano 2013.

Fonte: http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/messages/communications/documents/hf_ben-xvi_mes_20130124_47th-world-communications-day_po.html

 

BENEDICTUS PP. XVI

 

Comentários (0)

FESTEJOS DE SÃO JOSÉ OPERÁRIO DE 22/04 A 01/05/2013

Publicado em 08/05/2013 às 10h39

A Paróquia São José operário, Irecê, vivenciou a festa do seu padroeiro, com o tema ‘São José operário exemplo de juventude e fé na caminhada com Cristo’, focando o Ano da fé e a CF 2013. Foram 09 noites de oração, contemplação a Deus e de muito aprendizado. A igreja estava repleta com a assembléia deslumbrada com cada momento vivenciado. Fomos contemplados com excelentes pregadores, iniciando com o Pe. Manoel (Lapão), que nos falou sobre as três virtudes teologais (fé, esperança e caridade), Pe. Fransuilson (Iraquara) que refletiu para nós o subtema “felizes os que acreditaram sem terem visto” em sua pregação nos disse que Jesus é vivo,é presença nas ações da comunidade quando o sacerdote diz: “O senhor esteja convosco e a assembléia responde Ele está no meio de nós, trazemos esta presença forte e atual  na vida da comunidade e foi na comunidade reunida que Jesus disse: Felizes os que crêem sem terem visto.” Pe José Miranda (Cafarnaum) Pe. Jorge (Uibaí) Que falou diretamente para os jovens quando refletiu o subtema ‘Jovens animados pela fé fortalecem a caminhada da Igreja’. Pe. José Francisco (Barro Alto) explicou o sentido da festa de padroeiro, conceituando-a como um “retiro espiritual” e falou sobre o tema da festa voltado para a juventude, contextualizando com o Evangelho do dia. Pe. Jessé (P. Dutra).com o subtema Creio Senhor mais aumentai a minha fé, dentro tantas coisa que ele nos falou que “o mundo de hoje dificulta muito o nosso crescimento na fé e que a fé é uma responsabilidade muito grande de transformarmos primeiro a nós mesmos, a família , os vizinhos e depois o mundo.Prof.Dr. Elizeu Julindo, nos falou sobre a necessidade de incentivar os jovens a se inserirem na comunidade, pois vivemos numa época em que os meios de comunicação estão á disposição de todos e podemos usá-los para a nova evangelização. Prof. Rocy em sua fala disse que precisamos ter cuidado para não fazermos de nossa demonstração de fé um espetáculo de rua, onde apareçamos mais que o próprio autor da fé e que precisamos evangelizar como verdadeiros missionários de Cristo. Pe. Beto (Reitor do seminário/Par. São Pedro) e Pe. José Cordeiro na última noite dedicada às famílias, ressaltaram a importância desta instituição que, para muitos, não tem grande significado, mas que para Deus está em primeiro lugar. E, também o Padre Jakson Jader (Paróquia São Domingos) que nos brindou com uma belíssima explicação sobre a oração do Creio. Foram muitos os convidados que abrilhantaram a festa: As pastorais e grupos criados e fortalecidos pelo Padre José Cordeiro tais como: Pastoral do Acolhimento, Grupo São Lucas, Pastoral da Saúde, , Pastoral do Batismo, Grupo são Rafael, Grupo São Miguel, Grupo Filhos Espirituais do Pe. São Pio, Ministros extraordinários da sagrada comunhão, Terço dos homens, Infância missionária, Grupo São João Batista, Pastoral da pessoa Idosa, Pastoral da Criança, Grupo evangelizando com Maria, Divino Espírito Santo,Apostolado da Oração, Pastoral da Catequese, Grupo renovação em Cristo, João Paulo II, Grupo de Jovens, Grupo Jeremias, Crismandos, Coral São  José Operário, Pastoral da liturgia, Grupo Irmã Dulce, Pastoral Familiar, Pastoral do dizimo, e Pastoral da Comunicação, a qual agrega um membro de cada pastoral. Assim como todas a comunidades rurais que compõem esta paróquia, as comunidades da Paróquia São domingos e São Pedro Apóstolo e também a presença da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Presidente Dutra.O festejo foi maravilhoso e cada noite, teve sua singularidade, com apresentações teatrais, coreografias e os cantores que no palco animaram as noites após as celebrações: (ClaudineyBastos, Ney Lagoa, Jailda Modesto, Naldo, Marcelo, Nelinho, Alécio, Vanderlei , Mensageiros da Paz (Previnido) e Hudson). Nós da Pastoral da Comunicação buscamos a compreensão e vivenciamos que o ato de comunicar-se não se faz apenas com livros e sim com as mudanças, atitudes, doação e participação múltipla da comunidade.

O encerramento da festa se deu com a procissão pelas ruas do Bairro com o andor de São José Operário e com Faixas em homenagem aos trabalhadores (as) e com a bênção do Santíssimo Sacramento.

Agradecemos às comunidades que se fizeram presentes e abrilhantaram a festa. Aos patrocinadores, que fizeram de um pequeno gesto, o brilhantismo da nossa festa. À comunidade e aos grupos que doaram as guloseimas para serem vendidas na barraca. Aos noiteiros que nos prestigiaram com sua presença. Aos artistas que deslumbraram aos convidados com apresentações notáveis. Temos uma Paróquia contemplada com talentos valorosos. Aos corais e animadores que cantaram e encantaram cada noite. Aos padrinhos que aceitaram o convite nos dando alegria e suas presenças. À comissão organizadora, que se preocupou com os mínimos detalhes para que tudo estivesse a contento do visitante. Enfim a todos que ajudaram direto ou indiretamente nesse festejo de São José,

Fazemos uma homenagem especial a um incentivador nato desta grandiosa festa, que com sua simplicidade e magnitude de mestre que arrebanha suas ovelhas com carinho, respeito e humildade, Pe. José Cordeiro, em tempo, que lhe agradecemos por todos os ensinamentos, pelo ato do perdão, do ouvir por tudo que nos deste gratuitamente “Cordeiro de Deus“. A comunidade reserva consigo os dons que nos deste em profusão. “Sorria sempre! Pois, saber encontrar a alegria na alegria dos outros, é o segredo da felicidade. “Georges Bernanos”.

Janilde Barbosa e Rozilda Sodré.

PASCOM - São José Operário

Comentários (2)

PASTORAL DA CRIANÇA REALIZA RETIRO ESPIRITUAL

Publicado em 29/04/2013 às 11h41

Nos dias 26 e 27 de abril, aconteceu um retiro que teve como tema: ENVIADOS PARA ANUNCIAR A BOA NOVA (Lc 4.18) e o lema: FICA CONOSCO SENHOR, POIS A NOITE VEM CHEGANDO! (Lc 24,13-35), assessorado pelo Padre Luís Martins, o mesmo que aconteceu na pousada Chapada Diamantina em Lençóis.

Foi um momento de muita oração, deserto e encontro com Deus. O Padre Luís nos levou a meditar sobre o evangelho que fala dos discípulos de Emaús, Nos encontramos no texto, pois muitas vezes nos sentimos desmotivados desolados como se encontravam os discípulos, mas é através da oração, da vivência na eucaristia, que encontramos força para retornamos a nossa missão anunciando o cristo ressuscitado a todas as famílias.

O retiro começou na sexta-feira a noite com o momento de oração, que nos levou a refletir sobre a nossa missão de batizados, como evangelizadores da boa nova. No sábado pela manhã começamos refletindo sobre a importância do deserto, de se retirar das agitações do mundo, para fazer um encontro profundo com Deus. Depois seguimos para fazer a experiência do deserto, voltando depois de 1 hora para partilha, depois cada um voltou para o seu momento de deserto até o meio dia.

Às 13:30hs foi estudado o tema “Eucaristia”, e encerrou-se com a celebração da Santa Missa.

Só temos que agradecer imensamente a Deus por esta oportunidade que muito nos fortaleceu, revigorando nossas para a missão.

 

 

Edineide dos Santos

Pastoral da criança - Irecê

Comentários (1)

left|left tsN fwR c15s center|left show fwB c15s center|c10|||news c10 c05 fwR tsY b01 b02 bsd|b01 c05 normalcase uppercase bsd|b01 normalcase fwR c10 tsY bsd|news login c05 b01 normalcase uppercase bsd|c05 tsN normalcase b01 b02 uppercase bsd|b01 c05 normalcase uppercase tsY bsd|||